Buscar

Academicos Atuais

Usuários Online

Nº 14 - (FUNDADOR) SERÁPHICO DA NÓBREGA

Francisco SERÁPHICO DA NÓBREGA : Nasceu na capital do Estado da Paraíba, em 12 de outubro de 1907 e faleceu em 11 de maio de 1966, também nesta capital. Deixou viúva, a senhora Diva Ferraz da Nóbrega com cinco filhos: Haroldo, Francisco, Maria Márcia, Ariosto, Maria de Fátima e Martinho. Fez o curso primário no Grupo Escolar Tomaz Mindello, na capital, e os preparatórios no Lyceu Paraibano, bacharelando-se em Direito pela Faculdade do Recife, em 1931; retornando à Paraíba, foi designado Promotor Público da Comarca de Picuí, seguindo-se as de Itabaiana, Piancó e João Pessoa. Exerceu , ainda, as funções: Delegado do IPASE, Membro do Conselho Penitenciário do Estado, Membro da Comissão de Justiça da Assembléia. Legislativa; Conselheiro da Ordem dos Advogados do Brasil, Secção PB., durante dez anos; professor universitário, foi fundador da Faculdade de Direito da UFPB. e professor catedrático de Direito Administrativo. Foi político atuante, de muito prestígio, principalmente, no sertão , onde detinha a liderança de o Vale do Sabugy, terra dos seus ancestrais; fundador da UDN, Deputado Estadual, por três legislaturas, Deputado à Constituinte de 1947, líder do governo na administração do Dr. Oswaldo Trigueiro de Albuquerque Mello; mantinha, também, atividades agropecuárias em São Mamede e Santa Luzia .Ingressou na Academia Paraibana de Letras, no dia 09 de julho de 1953, e foi saudado pelo acadêmico Osias Gomes. Apesar de todas estas atividades, Seráphico da Nóbrega ainda dedicava-se ao cultivo das letras, procurando estar sempre bem informado, através de boas leituras e escrevendo . No Rio de Janeiro, ele escrevia crônicas sobre política e a história da Paraíba. Deixou preparados três livros que não foram publicados, provavelmente, por falta de recursos, intitulados: Mandacaru, Escravo Jó e YAYU.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Informações prestadas por D. Diva Ferraz Nóbrega, viúva do acadêmico, em 1991.

Revista da Academia Paraibana de Letras, nº06, p.303, João Pessoa: 1955.

 

 

Add comment


Security code
Refresh