Buscar

Academicos Atuais

Usuários Online

Nº 20 - (FUNDADOR) Pe. LUIZ GONZAGA

PE LUÍS GONZAGA DE OLIVEIRA

 

 

 

Pe Luís Gonzaga  de Oliveira: Nasceu em 19 de maio de 1915, na localidadeLameiro, município de Serra da Raiz, PB; filho dos senhores de engenhoBellarmino Augusto de Oliveira e D. Maria Emília de Oliveira. Iniciou sua alfabetização na aula particular da profª. Maria Costa. Cursou o primário na escola pública de Serra da Raiz com as mestras Nevinha Raposo e Naíde Maia, esta lhe deixou forte e agradável impressão pelo novo método pedagógico que praticava, dispensando a palmatória e introduzindo o teatro como atividade lúdica.

 

            Em 1928, ingressou no Seminário Arquidiocesano da Paraíba, recebendo as ordens sacras em 20 de novembro de 1938, pelo Arcebispo da Paraíba, D. Moisés Coelho, que já no ano seguinte o nomeou Vigário Cooperador da Catedral de Nossa Senhora das Neves, e professor de Português Superior e Latinidade do Seminário da Paraíba.

 

Como religioso foi Coadjutor e Vigário da Catedral, capelão do Abrigo de Menores Jesus de Nazaré, do Asilo Bom Pastor, da Igreja São Judas Tadeu, da Casa de Saúde São Vicente de Paula e da Maternidade Cândida Vargas. Em Serra da Raiz durante toda a sua vida eclesiástica foi colaborador voluntário da Paróquia Nosso Senhor do Bom Fim. Madrugador, ainda hoje é lembrado pelo hábito de rezar a missa na Matriz às 5:00 da manhã.

 

Em quase 30 anos dedicados a educação, foi professor no Colégio Pio X, Colégio Nossa Senhora de Lourdes, Abrigo de Menores Jesus de Nazaré e no Colégio Nossa Senhora das Neves; neste, a partir de 1942 com a reforma do ensino, assumiu quase todas as cadeiras de Latim. Em 1952, foi nomeado pelo Governador José Américo de Almeida, para lecionar Literatura Latina e Latim na Faculdade de Filosofia da Paraíba: Foi também professor catedrático no Centro de Letras da UFPB.

 

Tinha verdadeira paixão pelo jornalismo. Foi colunista, redator e diretor do jornal católico A Imprensa, onde publicou crônicas, ensaios, conferências, discursos e folhetins que pelo seu valor literário e histórico reclamam, das autoridades e instituições responsáveis, catalogação e publicação para o bem da cultura.

 

                        Foi eleito para a APL, no dia 04 de novembro de 1950, sendo o fundador da Cadeira nº 27 que tem por patrono Joaquim da Silva,tomou posse em 10 de maio de 1951, com recepção do acadêmico Higino Brito.

 

            Publicou em livro:Quadros da Minha Infância, 1958 e A Tragédia do Major, 1961. No periódico A Imprensa: Memórias do Internato(folhetim), O Pe Emídio Fernandes e o Seu Tempo(conferência) e Padres do meu Tempo(impressões); Pela Revista APL: Impressões de Canudos; Os Holandeses em Cabedelo,Júlio César(conferências) e Discurso de Posse. Deixou inédito: Zé Fernandes(romance regional); Figuras e Paisagens(recordações), Bispos do meu Tempo; O Padre Aprígio e sua Época, A República (drama) e Diário Secreto.

 

Político atuante, em Serra da Raiz foi o líder da vitoriosa campanha pela emancipação política. Filantropo, foi fundador da Casa de Saúde e Maternidade Manoel Madruga, que originalmente manteve com seus próprios recursos.Com seu irmão João Nepomuceno foi co-fundador da Escola Comercial Alípio Serpa e da Banda de Música Joaquim Menezes da qual foi o 1° presidente, adquirindo ele próprios os instrumentos musicais necessários. Fundou ainda a Associação Rural de Serra da Raiz e financiou a criação da Cooperativa Agrícola Mista. 

 

Faleceu em um domingo, dia 23 de maio de 1971, no Hospital Santa Isabel, após passar mal em seu automóvel quando chegava para celebrar a missa na Maternidade Cândida Vargas, da qual fora capelão por 18 anos, e que para ele era "um campo vasto para o apostolado sacerdotal". Foi sepultado na Igreja da Misericórdia em João Pessoa. 40 anos depois, no dia 23 de outubro de 2011, por iniciativa da ONG SACI e familiares, seus restos mortais foram transladados para sua terra natal e sepultados na Igreja Matriz do Nosso Senhor do Bom Fim; na lápide com vista para a rua, uma inscrição: Caritas numquamexcidit. Corintios, 13-8. O amor nunca acaba.

 

Dados fornecidos pelo sobrinho neto do acadêmico, Sr. José Augusto de Oliveira.

 

Add comment


Security code
Refresh