Academia Paraibana de Letras

Rodrigues de Carvalho nasceu em 18 de dezembro de 1867, num pequeno lugarejo chamado Tahuá, hoje Alagoinha, ambos povoados então pertencentes ao Município de Guarabira. Nascia esse notável paraibano, ilustre guarabirense, convivendo com as águas abrigadas pelo leito do rio Tauhá. O rio era o seu mundo: Sua escola, seu divertimento, seus encantos; servia-lhe de banho para escapar do tracejado quartinho de fundo de quintal, com água tirada de um tacho por uma cuia de cabaço. O sabão era o mesmo com que se lavava roupa numa das pedras, reunindo lavadeiras na margem esquerda do rio. Espumas enfeitavam a transparente correnteza sem poluí-la, como se fossem flocos cor de neve…

Em semelhantes circunstâncias, exceto em relação ao tempo, também nasceu seu conterrâneo, o esclarecido José Fernandes, hoje juiz federal aposentado, amante daqueles sítios por onde, diz ele, ainda correm as águas do Rio Tahuá. Narrou-me, como se fosse um conto, sua visitação àquelas reminiscências tahuenses: “Tirei o paletó, em roupa de banho, mergulhei naquela água cristalina, fria , doce, de doces lembranças, como se estivesse sendo rebatizado”. Enquanto presidente do seu “Centro de Estudos Jurídicos e Sociais – CEJUS”, Zé Fernandes promoveu uma série de valiosas conferências comemorativas ao Sesquicentenário de José Rodrigues de Carvalho, durante este ano que se finda. Publicará, em livro, as palestras de vários membros da Academia Paraibana de Letras, onde Rodrigues de Carvalho é um dos patronos.

Havia razões para o reencontro desses dois josés. Ambos, advogados, chamados de “zé”; banharam-se e brincaram nas águas do mesmo rio; aventuraram-se nos tempos de cheia, apostando proezas de menino, virando “bunda-canastra” ao saltarem da pedra mais alta. Tenho perguntado a guarabirenses da família se conhecem tal rio. Uns dizem que “sim “, outros, que “não”, ou que “não passa mais água, já deve estar seco”. Mas, José Fernandes, que me incentiva a admirar aquela natureza, reafirma que, ainda hoje, corre caudalosamente o emblemático rio Tahuá, descendo pelos contrafortes da Serra da Borborema, à procura do mar.

Damião Ramos Cavalcanti

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *