Academia Paraibana de Letras


Quando era menino, já via malvadezas de gente grande, piores do que explica o samba: “a maldade dessa gente é uma arte (…)”. Presenciei adolescentes incandescendo prego e jogando-o no escuro para o sapo engolir. Igual a marinheiros que, retirando jerimuns da água fervente, na cozinha do navio, e jogam-nos aos tubarões, no mar, que, ao engoli-los, de repente bóiam mortos. Tubarão engole até asa de avião, mas morre se ela estiver incandescente, caída do fogo. A maldade é a mesma, apenas em coisas diferentes. Matavam o cururu, mas corriam com medo do inspetor de menores, “seu Ananias”, que assombrava Iatabaiana só com o seu grande e largo bigode: “Menino, malvado, judiando com o sapo”!

Foi de então que decorei o verbo ‘judiar’; para, já na adolescência, perceber que judiar é fazer como judeu. Sem dúvida, tal generalização é um preconceito consequente da “Via Sacra”, nas paredes da igreja, mostrando uns judaicos, torturando Jesus Cristo. O preconceito é histórico; e também a maldade, tanto é assim que persiste, nos dias de hoje, candidato à presidência favorável e adepto da tortura… Mudado o que deve ser mudado, também ouvi, de pessoas, instruídas, através da imprensa falada e escrita, pelo marcatismo (McCarthyism) associando a palavra ‘russo’ ao significado daquilo que não presta; pessoas inocentes, em circunstâncias constrangedoras, lamentando: “A situação está russa”…

Só não sei explicar o porquê da besta, nascida e crescida nos pastos sertanejos, ser chamada de “égua russa”. Vi o povo festejando na ponte, comunguei a alegria do vídeo de Tião Cordeiro Braga, até com descrição emocionante: chuvas à seca de Nazarezinho. Mas fiquei curioso quando as torrenciais águas, em volumosa correnteza, com espumas, barulho e tudo, presente até na Cachoeira do Sítio Pitombeira, corriam pelo Riacho do Trapiá dos Severos (Lembranças da Dinastia dos Severos, fundada pelo general Septímio Severo, entre 193 d.C a 235 d.C, no Império Romano) “ao colo do Açude de São Gonçalo”, inundando, além das margens, o “Riacho da Égua Russa”. Somente, ontem, o Professor Francelino Soares corrigiu: “A égua é ruça”…

Damião Ramos Cavalcanti

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *