Academia Paraibana de Letras

Onde Ele nasceu havia vinho, mas Ele ainda não bebia, tampouco, José, o companheiro de Maria, levava consigo alguma dracma ou denário suficiente para comprá-lo, nem ganhar tal dinheiro por algum serviço, pois, distante de casa, não dispunha da marcenaria para o trabalho; também, caso necessitasse, não existia casa de maternidade, por isso, também não, “parto cesariano”… O carpinteiro mal pôde arranjar Maria na manjedoura e, com capim seco, improvisou um berço, como se fosse liturgia do primeiro “advento” do nascimento de Cristo, a criança. Precocemente, o menino crescia “em idade e em sabedoria”. Fez-se carne, habitou entre nós, observou a cultura e os costumes das mulheres e dos homens, até o de gostar de festa, como nas “Bodas de Caná”, na Galiléia.
          Nessa festa de casamento, Jesus estava com a mãe que percebeu o aperreio dos anfitriões: Os convidados tinham bebido todo o vinho e a festa ainda gozava seu maior momento. Maria,  sentindo tal alheia aflição, foi a Jesus comentar o que acontecia. Ele, encolhendo os ombros, mostrou-se indiferente: “Mulher, que queres de mim? Não é chegada a minha hora”. Mas, quem é humilde confia; Maria, em silêncio, afastou-se e, com confiança, dirigiu-se aos criados da casa: “Façam tudo o que Ele mandar”. Os criados se aproximaram de Jesus e Ele entendeu o pedido da mãe: “Tragam as talhas vazias. Encham-nas de água”. Jesus olhou para a água, para os céus e, em seguida, para os criados, dizendo: “Sirvam!” 
          De repente, tinha-se, naquelas enormes jarras, o bom vinho em abundância. João (2, 1-11), que acompanhava Maria, conta que os convivas e o Mestre Sala se surpreenderam ao se contrariar o costume: Saboreavam o melhor vinho no final da festa. Maria, que serviu de intermediação entre Jesus e os anfitriões, fitou os olhos da dona da casa e sorriu…  Desde aquele tempo, muitas famílias, como a do carpinteiro José, passam o Natal sem vinho; a não ser, por milagre, que se dê, em cesta básica natalina, esse néctar das videiras ou, quem sabe, talvez a cor de vinho tinto numa rubra flor de papel crepom.   

Damião Ramos Cavalcanti

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *